Volume de vendas da Renault cai 30% no 1º semestre após saída da Rússia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on email

As vendas de carros na Renault caíram 30% no primeiro semestre após o fechamento de operações na Rússia, disse a companhia nesta terça-feira, uma das primeiras montadoras ocidentais a reportar prejuízo ao perder o mercado após a guerra da Ucrânia.

A Renault, a mais exposta ao mercado russo entre as montadoras ocidentais, disse que suas vendas mundiais caíram 29,7% em relação ao ano passado, para pouco mais de 1 milhão de veículos.

Excluindo as atividades das unidades Avtovaz e Renault Rússia, o número de veículos vendidos pelo grupo caiu 12% ano a ano. As ações da Renault recuaram 2,3%.

A Rússia era o segundo maior mercado da montadora francesa antes da guerra, respondendo por 15% dos resultados, segundo o JPMorgan.

A Renault encerrou suas atividades na Rússia no início deste ano e disse que venderia suas operações no país e sua participação de 67,7% na Avtovaz, maior montadora russa e proprietária da marca Lada.

A Avtovaz foi vendida para um instituto de ciências russo, supostamente por apenas 1 rublo com uma opção para comprá-la de volta em seis anos, disse a Renault em maio.

O grupo francês também apontou a crise de semicondutores como um fator por trás da queda nas vendas, embora tenha dado uma perspectiva otimista sobre a produção de chips para o segundo semestre do ano, ecoando comentários semelhantes da rival Volkswagen.

O diretor de operações da marca Renault, Fabrice Cambolive, disse que a empresa está vendo alguma melhora em termos de disponibilidade de componentes eletrônicos no segundo semestre. Isso, por sua vez, ajudará a aumentar a produção.

A Renault disse que as vendas de veículos elétricos cresceram, representando 36% das vendas de veículos de passeio da marca no continente no primeiro semestre do ano, contra 26% um ano antes.

Após a saída da Rússia, as vendas do grupo fora da Europa caíram para 35% do total, de 48% no ano passado. A Itália é agora o segundo maior mercado do grupo depois da França.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Fonte: Reuters

Publicado por:

Erika Santos

Erika Santos